Pesquisar este blog

domingo, 21 de maio de 2017

O LIVRO DE MARCIANO


Já tem alguns dias que eu era pra ter dado ciências aos amigos seguidores deste BLOG sobre o belo livro escrito por José Marciano Monteiro, que nos mostra como os políticos tradicionais se mantêm no poder, num bem engendrado esquema de hereditariedade. Mas, ocupado em outras atividades, fui postergando essa postagem, esperando por uma hora mais oportuna, como o dia do seu lançamento em Queimadas, por exemplo. Entretanto, a atual situação política do país e o que pipocou nesta última semana, se mostrou como um momento muito propício para apresentarmos o trabalho do nosso querido “Mestre”. Sim, o livro de Marciano, entre tantas coisas da política brasileira, fala dessa tal “JBS” e mostra como ela patrocinava a maioria dos políticos nacionais em suas campanhas eleitorais. Com um detalhe: Marciano mostra somente a parte legal, aquelas doações que passaram pelo crivo dos TREs – e elas já são coisas de outro mundo, de deixar qualquer cidadão honesto estarrecido, imagine o que é feito por baixo dos panos, o famoso “caixa 2”.
Em outra oportunidade falaremos mais sobre o livro desse grande queimadense, doutor,  professor da UFCG.

sábado, 6 de maio de 2017

A FOTO

Vista da Vila de Queimadas no ano de 1949 onde se ver o povoado com apenas duas (02) ruas: a da igreja, a esquerda e a do açude, de frente. Na verdade a cidade era quase só isso mesmo, o que a imagem  mostra.
A foto provavelmente foi feita a partir da Pedra do Bico, e os casebres que aparece em primeiro plano ficam no "Morro da Antiga Matança". Mas, ao que parece, o fotografo quis dá ênfase ao açude, talvez por este ser o bem maior do lugar naquele tempo.























A foto acima foi descoberta pelo professor/historiador Antonio Carlos Ferreira Lopes.

Numa comparação grosseira, a imagem abaixo, de 2012, nos dá uma ideia de como a cidade evoluiu em pouco mais de 60 anos. Todo o antigo açude, por exemplo, acha-se tomado por construções.

O LARGO DA USINA

O espaço hoje batizado como "Pátio do Povo" já foi um grande capoeirão. Ficava entre a Rua da Rodagem (atual Rua Eunice Ribeiro) e a estrada velha de Pedra do Sino (atual Rua Cezar Ribeiro), formando o pátio da usina, um grande largo, que na época do ano em que se comercializava o algodão, ficava povoado por caminhões e burros de cargas das diversas espécies, transportando a pluma para o beneficiamento naquela unidade, antes de ir para a exportação.
No tempo do inverno o "Largo da Usina" ficava assim, como na foto abaixo,  tomando pelo mato. O tempo passou e lugar se tornou uma das áreas nobres de Queimadas.
AS FOTOS SÃO DO ÁLBUM DE FAMÍLIA DA SENHORA MARIA AUGUSTA CARDOSO, DOS ANOS 1950, E AS CRIANÇAS QUE APARECEM NAS FOTOS SÃO SEUS FILHOS.

ABAIXO, FOTO DE 2013: O ANTES E O DEPOIS DE UM DOS ESPAÇOS MAIS TRADICIONAIS DE QUEIMADAS

quinta-feira, 4 de maio de 2017

NO GOVERNO DE DONA DULCE

Quando foi prefeita de Queimadas (de 04.11.1962 a 30.12.1966), entre várias obras, Dulce Barbosa criou  um parque de diversão no centro da cidade, ao lado da Igreja Matriz, no local onde hoje fica o clube social. O espaço era modesto, porém, de muita serventia para a sociedade local, naqueles idos dos anos 60. Era o ponto de encontro nos finais das tardes, era o espaço de entretenimento para crianças, jovens e adulto e também se prestava as atividades físicas. Felizmente duas fotos restaram daquele empreendimento que, mesmo sem nos dá a dimensão exata do complexo, não nos deixar esquecer que o mesmo existiu um dia.

Fotos descobertas pelo historiador Antonio Carlos Ferreira Lopes.

quarta-feira, 3 de maio de 2017

NOSSO FUTEBOL AMADOR

Fotos de um torneio de futebol, que teve o nome de "Taça Baixa Verde",  que foi realizado no dia 18 de dezembro de 1975 no campo do Fluminense daquela localidade. A competição contou com a presença das principais equipes de futebol de Queimadas da época.
.

As fotos são de Fernando Vital e foram cedidas a esse blog por seu filho Sandro Vital.

terça-feira, 2 de maio de 2017

CAMPINENSE CLUBE 1964



Que me perdoe os amigos trezeanos. Eu não virei raposeiro.
Que me perdoe meus caros seguidores do BLOG TATAGUAÇÚ, que tem nesse espaço a oportunidade de rememorar as coisas de nossa terra. Eu não mudei o foco.
Mas,  eu não poderia deixar de postar um material inédito como esse.
Uma foto do Campinense, do ano de 1964, publicada pela maior revista sobre futebol do Brasil a época, a “REVISTA DO ESPORTE” (antecessora da Placar), em 30 de maio de 1964.

segunda-feira, 1 de maio de 2017

FESTINHA DE CRIANÇA

Uma postagem bem particular: um aniversário na casa de Zé Estevão, na Rua José Maia, Centro de Queimadas, em 1982.
A aniversariante: Claudia, a senhora minha esposa.